| Login | Crie o seu Jornal Online FREE!

O Pão
Desde: 13/05/2002      Publicadas: 148      Atualização: 07/07/2004

Capa |  AGENDA  |  HEPATITES VIRAIS  |  LEGISLAÇÃO  |  PREVENÇÃO  |  TRANSPLANTE  |  TRATAMENTO


 HEPATITES VIRAIS

  28/06/2004
  0 comentário(s)


Baixada Santista e Biomolecular

Jornal A Tribuna - Santos-SP - Segunda-Feira, 28 de Junho de 2004 - Albert Einstein fará exames a partir de 5ª - Da Reportagem - A partir de quinta-feira, o laboratório de biologia molecular do Hospital Albert Einstein, na Capital, começa a receber os exames coletados de pacientes de hepatite C da região, que já estão em tratamento no Ambulatório de Hepatites do Hospital Guilherme Álvaro (HGA) ou que são cadastrados pelo Programa Municipal de Hepatites. A informação é do presidente da organização não-governamental (ONG) Grupo Esperança, Jeová Pessin Fragoso.

‘‘O hospital da Capital deverá receber cerca de mil coletas provenientes da Baixada Santista para esta análise mais específica’’, observou Fragoso. Ele explica que a iniciativa desta parceria, entre o Albert Einstein e os pacientes de Santos, partiu da Secretaria de Estado da Saúde. ‘‘Foi uma solução temporária, encontrada pelo Estado, para atender à demanda reprimida da região, com relação a este exame específico’’.
O presidente da ONG lembra que só de pacientes do Centro de Saúde Martins Fontes, em Santos, há mais de 250 pessoas na fila de espera para coletar sangue, visando a realização deste exame, que exige técnicas de biologia molecular. ‘‘Há outros 800 pacientes do HGA na mesma situação’’.
Fragoso disse ainda que Santos vai ser a primeira cidade do Estado baneficiada por esta parceria com o Albert Einstein. ‘‘O hospital paulistano, para garantir a contrapartida de certas isenções fiscais, precisa destinar uma verba filantrópica ao Sistema Único de Saúde (SUS). É por isso que estará disponibilizando seu laboratório prioritariamente para a demanda santista’’.
Sobrecarga
Normalmente, a análise deste tipo de exame — ainda de acordo com o presidente da ONG — é feita pelo Instituto Adolfo Lutz da Capital. ‘‘Inclusive, de laboratórios particulares, e não só da região’’, assegurou Fragoso. Com essa sobrecarga, há muita demora na entrega dos resultados (de três a oito meses, para um exame que tem condições de ser analisado em 15, no máximo 30 dias).
Fragoso não soube precisar por quanto tempo o Albert Einstein receberá coletas da região. ‘‘A secretaria de Estado da Saúde fez uma previsão de pelo menos três meses’’. Este tempo, segundo o presidente da ONG, deve ser o suficiente para atender a demanda reprimida da Cidade.
‘‘Também esperamos que, até lá, o laboratório do HGA esteja devidamente adaptado e pronto para analisar este tipo específico de exame, como programado pela secretaria estadual’’. Fragoso comentou que faz mais de um mês que uma comissão da secretaria de Estado da Saúde veio à Cidade, para saber se o laboratório do HGA poderia ser adaptado para este fim.
‘‘O próprio secretário Luiz Roberto Barradas Barata garantiu que iria dar toda a infra-estrutura necessária para que o laboratório do HGA ficasse, a curto prazo, capacitado para essa biologia molecular. Infelizmente, está havendo atraso nos prazos’’.






Capa |  AGENDA  |  HEPATITES VIRAIS  |  LEGISLAÇÃO  |  PREVENÇÃO  |  TRANSPLANTE  |  TRATAMENTO